Alcides Nobrega Sial

Alcides Nobrega Sial, nascido em 14/12/1942, é professor titular no Dept. de Geologia da UFPE, em Recife. Geólogo (1966, UFPE), Ph.D. pela Univ. California, Davis, EUA (1974), pós-doutorados nos EUA (Austin, Texas, 09/1977-09/.1978; Athens, Georgia, 01/1983-12/1983; Athens, Georgia, 01/1988 a 12/1988) e estágio pós-doutoral na Univ. de Wisconsin, Madison (01-03/2001). Estágios em Lisboa, Portugal (1970), no U.S. Geol. Survey, EUA (1973), na Memorial Univ. of Newfoundland, Canadá (2 meses,1983), no Geol. Survey of Japan, Tsukuba (1 mês, 1988), Univ. da Georgia (1 mês, 1991), em East Kilbride, Escócia (2 semanas, 1996). Orientou 30 estudantes de iniciação científica, orentou/co-orientou 35 mestres e 18 doutores, além de pós-doutores (8).

Participou de cerca de 160 bancas examinadoras. Publicou 238 artigos em periódicos científicos, 220 trabalhos completos em Anais de Congresso, 4 livros, organizou 12 “special issue”; (periódicos científicos), 26 cap. de livros e mais de 300 resumos nas áreas de petrologia ígnea e geoquímica de isótopos estáveis. Um dos pioneiros no Brasil na utilização da sistemática de terras raras no sistema granito e na utilização de isótopos de oxigênio em petrologia ígnea. Fundou o Laboratório de Isótopos Estáveis (LABISE) onde foi implantado um laboratório de extração de oxigênio a laser de CO2, pioneiro na América do Sul neste gênero. Um dos primeiros no País na utilização da quimioestratigrafia isotópica na resolução de problemas estratigráficos (Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Colombia, Índia). Ministrou cursos de curta duração na UnB, UFPA, UFRGS, UFBA, UFMG, UFRJ, PETROBRAS, Universidad de Chile em Santiago, e em Medellin, Colombia. 

Assessor ad hoc: NSF (EUA), NSERC (Canada), Israel Sci. Foundation, Swiss Nat. Sci. Foundation, German Research Foundation (DFG), Foundation for Polish Sci., Netherland Organization for Scientific Research, Czech Science Foundation, CONCYTEC (Peru), FONDECYT (Chile), CNPq, FINEP, CAPES, diversas FAP´s. É membro-titular da Academia Brasileira de Ciências (membro da diretoria: 1991-1993), membro-correspondente da Academia de Ciências de Lisboa, Fellow da Academia Mundial de Ciências (TWAS, 2009) e Fellow da Geological Society of America. Prêmios/distinções: Comendador (1996) e Grã Cruz (2006) da Ordem Nacional do Mérito Científico (MCT, Brasil), Medalha do Centenário da Engenharia da UFPE (1995), Martelo de Prata da Soc. Bras. de Geologia (1975), homenagem do 8th SSAGI (Colombia, 2012), destaque científico nacional em Geoquímica (SBGq, 2005, 2013), Special Foreign Member da Society Resource Geology, homenagem Hutton Intern. Symp. por contribuição científica a estudos de granitos no Brasil (2015), Medalha Marechal Trompowsky (2016), Medalha de Ouro José Bonifacio (Soc. Bras. de Geologia, 2016), Professor Emérito (UFPE, 2016), Membro do Granite Committee da IAVCEI (1993).

Membro do Conselho Deliberativo do CNPq (1991-93), Comissão Coordenadora do PRONEX (1996-98), Comissão Superiora da FACEPE (1991-93), Geology Editorial Board (1997-2000), Gondwana Research (2003-05) e é membro da Comissão Editorial dos Anais da Academia Brasileira de Ciências (2003-presente). 

Patrono

Rilson Rodrigues da Silva

Nasceu em Caruaru, Pernambuco, em 16 de janeiro de 1932 e faleceu em Recife em 29 de setembro de 1998. Graduou-se em Química Industrial (1953) pela Universidade do Recife (posteriormente Universidade Federal de Pernambuco). Obteve o certificado de Estudos Superiores em Cristalografia-Mineralogia na Universidade Louis Pasteur, França, em 1954/1955, tendo concluído também o doutorado naquele país com menção très honorables na Universidade de Strasbourg (Doctorat d´Unversité) em 1969. Defendeu tese de livre-docência no Departamento de Engenharia de Minas da UFPE, em junho de 1977.

Foi chefe da Divisão de Mineralogia do Instituto de Geologia e criou em 1959, com substancial ajuda do CNPq, o primeiro laboratório de cristalografia do país, liderando um grupo de recém-diplomados, membro-titular da Academia Brasileira de Ciências (1975), foi-lhe outorgado o título de Professor Emérito pelo Conselho Universitário da UFPE em maio de 1998. Foi membro do primeiro Comitê Assessor (CA) em Geociências no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) de 1976 a 1978 e delegado brasileiro designado pelo CNPq como presidente da Comissão de Cristalografia, em oito congressos internacionais. Aposentou-se em 1990 devido a um problema na visão decorrente de exposição a raios-X no seu laboratório. Pesquisador-conferencista do CNPq (1969 a 1970) e, posteriormente, pesquisador de produtividade em pesquisa, nível 1-A (1976 a 1992).

Sua contribuição científica focou principalmente crescimento de cristais, mineralogia de pegmatitos do Nordeste do Brasil e estudos de cálculos urinários. Foi diretor do Instituto de Geologia da UFPE (1961 -1967), do Instituto de Geociências (1970-1974) e posteriormente do Centro de Tecnologia desta Universidade (1976-1980).