Amaro Henrique Pessoa Lins

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco (1977), mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1980), doutorado sanduiche em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Universidade de Oxford-Inglaterra (1991) e pós-doutorado na Universidade do Colorado-EUA (2002).

Atualmente é professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Mecânicas dos Solos, atuando principalmente nos seguintes temas: solos não saturados, Obras de terra, Geotecnia Ambiental. Foi Diretor do Centro de Tecnologia e Geociências da UFPE, por dois mandatos, no período de 1996-2003.

Foi Reitor da Universidade Federal de Pernambuco, por dois mandatos, no período de 2003-2011. Foi Secretário de Educação Superior do MEC, no período 2012-2013 e, foi Coordenador Geral da Representação Nordeste do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Patrono

Pelópidas Silveira

Nasceu em Recife no dia 15 de abril de 1915. Cursou o primário no Colégio Santa Margarida e o secundário no Colégio Salesiano Padre Félix, então Ginásio de Recife, e no Ginásio Pernambucano.  Ingres­sou na Escola de Engenharia de Pernambuco e, desde o terceiro ano do curso, aos dezoito anos, trabalhou no porto de Recife como assistente técnico.

Bacharelou-se em 1935. Em 1936 tornou-se assistente da cadeira de resistência de materiais da Escola de Engenha­ria, passando depois a reger a cadeira de construção civil, recém-criada na Universidade de Pernambuco. Participou da criação do Instituto Tecnoló­gico do Estado de Pernambuco (ITP). Foi nomeado prefeito de Recife, tendo exercido o cargo de fevereiro a agosto de 1946, no governo do interventor José Domingues da Silva. Fez uma administração que o tornou popular. Trabalhou fortemente no processo de urbanização da Cidade, onde abriu a Av. Dantas Barreto, iniciou o alargamento da Av. Conde da Boa Vista que, por coincidência veio a terminar em 1958, quando foi novamente prefeito, fez o alargamento da rua Dom Bosco, a reforma da Praça da Independência e alguns trabalhos no Bairro do Recife.  

Em 1949, abriu um escritó­rio de construção civil, que manteve até 1954, quando deixou também o ITEP para se dedicar ao ensino superior e à política. Foi eleito prefeito do Recife em 1955. Durante sua administração, entregou ao público a avenida Conde de Boa Vista, ligando o centro da cidade aos subúrbios mais populo­sos; construiu a avenida Norte em concreto, ligando o bairro portuário à vila dos comerciá­rios em Casa Amarela; adquiriu o sítio Trinda­de, que datava da época da ocupação holande­sa e estava ameaçado de ser loteado, transfor­mando-o em logradouro histérico; construiu jardins e praças; adquiriu o Teatro do Parque; modernizou a frota coletora de lixo; regula­mentou a feira do livro, a higienizaçãodo mercado e dos matadouros públicos, e criou o entreposto de abastecimento, diminuindo o custo de intermediação. 

Sua Secretaria de Agri­cultura aproveitou terras ao redor de Recife para a plantação de legumes. Em foi eleito vice­-governador na chapa encabeçada por Cid Sampaio, e tomou posse no dia 15 de dezembro de 1959. Permaneceu no cargo de vice-governador até 1963. Em agosto de 1963 reelegeu-se prefeito de Recife, assu­mindo em dezembro.  Foi deposto pelo movi­mento político-militar de março de 1964. Foi aposentado em outubro de 1965, ao lado de outros seis professores da Universidade de Pernambuco.   Em 15 de maio de 1980 foi beneficiado pela Lei da Anistia, reintegrando-se à Universidade Federal de Pernambuco, em cuja Escola de Engenharia lecionou as disciplinas resistência dos materiais e formação dos solos durante dez meses. Aposentado desde 1981, passou a trabalhar exclusivamente na empresa Nacional Gás Butano, à qual estava ligado desde 1964.