Carlos Fernando de Araújo Calado

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco (1970 a 1974), doutorado em Engenharia Civil pela Universidade do Minho, Portugal (2010 a 2015), especialização em Estruturas pela COPPE/UFRJ (1976 a 1977) e estágio de aperfeiçoamento profissional em concreto protendido pela Agence pour la Coopération Technique Industrielle et Économique - ACTIM, França (1978 a 1979). É professor adjunto de engenharia civil da Escola Politécnica da UPE desde 1979, na área de estruturas. Exerceu os seguintes cargos públicos: Diretor Adjunto do Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (1987 a 1991); Secretário de Infraestrutura da Prefeitura de Olinda (1993 a 1996); Pró-Reitor de Planejamento da Universidade de Pernambuco (1999 a 2002); Diretor da Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (2002 a 2006); Reitor da Universidade de Pernambuco por dois mandatos (2007 a 2014). Prêmios e títulos honoríficos recebidos: Medalha do Mérito Lauro Borba (2015), concedido pelo CREA-PE; Medalha do Mérito 2015 da Engenharia, concedido pelo CONFEA; Medalha do Mérito do Congresso Nacional do Brasil (2012), concedido pelo Congresso Brasileiro; Prêmio Odebrecht de Engenharia (2011), concedido pelo CREA-PE; Diploma da Academia Pernambucana de Letras (2010), concedido pela APL;

Medalha do Mérito do Corpo de Bombeiros de PE (2010), concedido pela Polícia Militar de PE – Corpo de Bombeiros.

Patrono

Eleumar Martorelli

Nasceu em Recife (PE), no dia 28 de maio de 1928. Filho de Humberto Martorelli e de Eleuzina Accioly Martorelli, faleceu em São Paulo (SP) em 9 de agosto de 1996. Fez vestibular para a Escola de Engenharia em 1946, graduando-se em Engenharia Civil e Eletricista em 1950, participando da primeira turma de engenheiros da recém-criada UFPE. Em 1951, diplomou-se pela Escola de Estudos Superiores de Eletrotécnica e Hidráulica de Toulouse, França.

Vocacionado para o ensino, ministrou aulas de Mecânica dos Fluidos e Hidráulica na Faculdade de Engenharia, a partir de 1952, tendo sido convidado depois para assistente de ensino e daí para professor adjunto e titular da cadeira de Concreto Armado, que assumiu a partir de 1956, tendo sido o primeiro titular dessa cadeira. Foi também titular da cadeira de Mecânica e Resistência dos Materiais do curso de Engenharia Química.

Ocasionalmente, ministrou aulas ainda de Resistência Aplicada às Máquinas no curso de Engenharia Mecânica, e Estabilidade das Construções. Paraninfou várias turmas da Escola de Engenharia. Também ensinou vários anos na Escola Politécnica, onde foi paraninfo da turma de engenharia de 1960. Na atividade privada, representou, enquanto engenheiro eletricista, as empresas suecas ASEA, SKF e Brown Bovery. Mas foi no escritório de cálculo estrutural, denominado MM Engenharia Estrutural Ltda., em que era seu sócio o também professor José Moacy Lins de Albuquerque, que exerceu a plenitude da profissão, tornando MM o escritório mais respeitado da região Nordeste e um dos maiores do país, tendo passado por suas pranchetas o cálculo das grandes construções da época, destacando-se, entre outros, o prédio da SUDENE, o Terminal Integrado de Passageiros – TIP, Fábrica da Coperbo, Viaduto Tancredo Neves, Ponte Avenida Norte, Ponte da Torre (Carrefour), Marquise do Estádio da Ilha do Retiro, (maior marquise em balanço do Brasil) e ampliação da Ilha do Retiro (era torcedor ardoroso do Sport Club do Recife, onde exerceu o cargo de diretor de engenharia por vários anos), o Centro de Convenções, diversas Fábricas de Cimento do Grupo João Santos, ETA Gramame na Paraíba, ETA Botafogo em Pernambuco, Estações do Metrô do Recife e prédios Administrativos do METROREC, diversos Edifícios residenciais, como o Casa Alta em Boa viagem e o Mohana, primeiro a utilizar estacas VEJA, Hotéis vários, destacando-se o Othon (antigo) em Boa Viagem, que ele, com o humor de sempre, chamava de “Aquele Abraço”, porque a estrutura abraça o prédio vizinho.

MM Engenharia destacou-se ainda por seu vanguardismo: foi o primeiro escritório do N/NE a usar computador para cálculo estrutural e o primeiro a introduzir o SAP (Structural Analysis Program) na engenharia pernambucana, entre diversas outras inovações em sua época.