Cid Bartolomeu de Araújo

Nasceu no Recife em 20/05/1945. Engenheiro Eletricista (UFPE 1968). Mestrado (1971) e Doutorado (1975) em Física na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Pós-doutorado, Harvard University (24 meses, 1976-1977)-supervisor: Prof. N. Bloembergen (Prêmio Nobel de Física em 1981).

Na UFPE: Professor Emérito desde 2016; foi um dos fundadores do primeiro grupo de pesquisas em Física, 1971; Professor Adjunto, 1971/89; Professor Titular, 1989-2013; Chefe do Departamento de Física, 1984/86; Coordenador de Pós-Graduação em Física, 1982/84 e 2008/10; Coordenador de Graduação, 1988/90; Diretor do Centro de Ciências Exatas e da Natureza, 1996-2000; Coordenador de Pós-Graduação em Ciência de Materiais, 2006/08. Visiting Scientist-IBM Thomas J. Watson Research Center (New York, 1987/88); Pesquisador Visitante-École Polytechnique (Palaiseau-França, 11/1984); Pesquisador Visitante-Université Paris-Nord (12/1985-02/1986, 04/1987); Professor Visitante (Chaire Senior)-Université d’Angers (França, fev-abril, 2013; abril-jul., 2014); Pesquisador Visitante-Université d’Angers: 06/2004; 06/2005; 05/2006; 09/2008; 04/2010; 01/2011, 06/2019; Pesquisador Visitante FAPESP-UNICAMP (6 meses, 2018).

Até 2019 orientou 26 teses de doutorado, 43 dissertações de mestrado, 20 pós-doutorandos. Até 10/2019 publicou 327 artigos científicos em revistas internacionais (Google Scholar: 8445 citações, índice h = 44; Scopus: 6472 citações, índice h = 39; Web of Science: 6000 citações, índice h = 38), 14 capítulos de livros científicos, 530 comunicações em congressos nacionais e internacionais, e 01 livro (co-edição, Elsevier). Escreveu artigos para revistas de divulgação científica e boletins de sociedades profissionais. Fellowof the Optical Society–OSA (eleito em 2004), Membroda The World Academy of Sciences–TWAS (eleito em 2005), Membro da Academia Brasileira de Ciências [Titular desde 1991; Associado: 1986/91], Ordem Nacional do Mérito Científico [Comendador (1998); Grã-Cruz (2008)], Pesquisador do CNPq (nível 1A desde 1985). Em 2004 recebeu a medalha Galileo Galilei-2003 da International Commission for Optics (ICO) – citação: “for outstanding contributions to the field of optics achieved under comparatively unfavorable circunstances”.

Membro do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, 1996/99. Comitê de Física e Astronomia do CNPq [Membro: 1982/83; 1990/91; Coordenador: 1992/93; 2005]. Membro do Editorial Board da Applied Physics Letters (2013/15), Journal of Applied Physics (2013/15), Optical Materials (1991/95), Brazilian Journal of Physics [1996/2007-Editor: 1992/95], APL Photonics (Advisory Board, 2019-2021). Foi Membro do Committee for the Galileo Galilei Award (ICO), Membership Advisory Committee for Physics (TWAS); Commission on Quantum Electronics (IUPAP); International Council (OSA). Participou da organização de vários congressos nacionais e internacionais. Revisor Ad Hoc para CNPq, CAPES, FINEP, FACEPE, FAPESP, FAPERJ, FAPEMIG, FUNCAP, FAP-DF, Uruguai (CONICYT), Venezuela (IVIC), Espanha (ICREA) e Chile (CONICYT). Vice-Presidente Academia Brasileira de Ciências (Regional: Nordeste e Espírito Santo) 2006-2019. Supervisor do OSA-Student Chapter (Recife) desde a criação em 2003.

Patrono

Luiz de Barros Freire

Foi uma das grandes figuras do pensamento científico em Pernambuco. Nasceu no Recife, em 16/03/1896. Concluiu o curso de engenharia civil, na Escola de Engenharia em 1918. Em 1920 foi contratado professor da Escola de Engenharia. Em 1934, foi aprovado em concurso para professor catedrático de Física e recebeu o título de Doutor em Ciências Físicas e Matemática. Em 1943 foi nomeado professor catedrático de Análise Matemática da Faculdade de Filosofia Manuel da Nóbrega, hoje integrada a Universidade Católica de Pernambuco.

Continuando sua carreira no magistério superior Luiz Freire exerceu, no Rio de Janeiro, o cargo de professor Catedrático da Faculdade de Ciências da Universidade do Distrito Federal, hoje UFRJ. Publicou artigos científicos no Boletim de Engenharia, Gazeta de Matemática de Lisboa e Revista Brasileira de Matemática. Ao ser criado o Conselho Nacional de Pesquisas, hoje Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, foi nomeado membro, participando da comissão de Ciências Físicas e Matemáticas até a sua morte. Também foi membro do Conselho do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e membro fundador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF).

Em 1952 realizou o seu grande sonho de criar o Instituto de Física e Matemáticano Recife, uma vez que queria implantar um centro de produção científica nestas áreas. Dirigiu este Instituto, mantendo intercâmbio com instituições semelhantes no país e no exterior. Preocupado em formar recursos humanos para pesquisa manteve relacionamento com físicos pernambucanos radicados no Rio e em São Paulo, como Mário Schenberg, José Leite Lopes e outros, que ajudaram na formação de estudantes recomendados por Luiz Freire e assim contribuíram para o desenvolvimento da Ciência no País.

Luiz Freire destacou-se como professor, formador de profissionais na sua área de atuação, organizador e dirigente de instituições de ensino e pesquisa. Faleceu em 17 de julho de 1963, aos 67 anos.