Romero Marinho de Moura

Engenheiro agrônomo pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), (1965).  Mestre em Fitopatologia pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (ESALQ) da Universidade de São Paulo (USP), (1967).PhD em Plant Pathology pela North Carolina State University (NCSU), (1974). Pelo desempenho acadêmico, recebeu medalha de ouro e se tornou membro da Sociedade Gama Sigma Delta, Sociedade de Honra da Agricultura dos Estados Unidos, (1974). Pós-doutorado em Plant Pathology and Plant Nematology, como Fullbright Scholar, na University of Georgia (UGA), em Athens, Georgia, (USA), (1991-1993). Pesquisador do Instituto de Pesquisas Agronômicas (IPA), em Recife, Pernambuco (1966-1970). Professor Titular de Fitopatologia da UFRPE (1968- 2003). Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da UFRPE por dois mandatos consecutivos (1983-1987 e 1988-1991). Coordenador do Comitê Regional de Pró-reitores de Pesquisa e Pós-graduação do Norte e Nordeste (1988) e mais tarde vice-presidente da Representação Nacional dos Pró-reitores de Pesquisa e Pós-graduação (1990).

Criador do primeiro curso de pós-graduação stricto sensu da UFRPE, mestrado em Fitossanidade, (1976). Criador e coordenador do convênio Universidade da Geórgia, USA, e UFRPE, (1976-1990), reconhecido como o melhor programa de intercâmbio da organização Partners of the America da época,recebendo,por isto, em Washington DC/USAo prêmio Nicholas R. Castriconi (1986). Professor Nacional Sênior da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão (CAV), atuando na criação do primeiro mestrado daquela instituição; Saúde Humana e Meio Ambiente, tendo orientado com sucesso a primeira dissertação, (2011). No CAV, desenvolveu projetos de Nematologia e Micologia, ministrou quatro disciplinas e orientou alunos da pós-graduação e bolsistas PIBIC e FACEPE (2009-2013). Presidente da Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF) e da Sociedade Brasileira de Nematologia. Recebeu o prêmio Álvaro Santos Costa o mais alto reconhecimento da SBF.

Criador dos Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica e presidente da Comissão Editorial dos Anais da Academia, desde o primeiro número, (2003). Membro do Corpo Editorial de revistas científicas. Experiência na área de agronomia (Fitossanidade), atuando, com a cultura do inhame, cana-de-açúcar, taxonomia de fitonematoides, biologia de fungos e controle de doenças de planta. Pesquisador do CNPq desde 1976, tendo sido do nível 1 A,  por mais de 17 anos (1996-2014).  Representante das ciências agrárias junto ao Conselho Deliberativo do CNPq (CCTC) e, por dois mandatos de três anos, no Comitê Assessor de Agronomia (CA/Ag/CNPq).  Decidiu pela não renovação da bolsa de produtividade.

É Professor Colaborador do Departamento de Micologia do Instituto de Ciência Biológicas (ICB) da UFPE, onde ministra aulas eventuais, apresenta seminários e participa da orientação de doutorandos e bolsistas de PIBIC e Facepe. Possui os títulos de Professor Emérito pela UFRPE (2000) e de Professor Honoris Causa pela UFPE (2013).

Patrono

Augusto Chaves Batista

Augusto Chaves nasceu em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, em 15 de julho de 1916.  Formou-se em agronomia na Faculdade Agrícola da Bahia, em dezembro de 1937 e se especializou em Bacteriologia, Fitopatologia e Microtécnicas na A&M College Graduate School (Estados Unidos) e com estagio no Commonwealth Mycological Institute (Inglaterra) ainda nos anos de 1930. Sua formação científica em Fitopatologia e Micologia foi influenciada pelo pesquisador emérito Padre Camille Torrend. Iniciou as suas atividades como docente efetivo na Escola Agrícola da Bahia, ensinando Fitopatologia e Microbiologia Agrícola. Em 1946, ingressou como professor na Escola Superior de Agricultura da Universidade Rural de Pernambuco (URPE), pertencente à Secretaria de Agricultura do Estado. Assumiu simultaneamente a condição de fitopatologista do Instituto de Pesquisas Agronômicas de Pernambuco (IPA), Seção de Fitossanidade, até 1951.

De março de 1954 até o seu falecimento em 1967, foi o diretor do Instituto de Micologia do Recife (IMUR), da então Universidade do Recife, mais tarde Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O IMUR, uma criação de A. Chaves Batista, atingiu reputação de alta qualidade científica em nível mundial.  Profissionalmente foi um taxonomista de fungos altamente conceituado, tendo discreta atuação como fitopatologista.  Por não ter se especializado em um tipo particular de fungo, recebeu o título de “o mais versátil micologista”, concedido pelo Commonwealth Mycological Institute. À frente do Instituto de Micologia, criou a micoteca, que hoje constitui uma coleção de referência registrada no CMI sob a sigla de URM (University Recife Mycology) e filiada ao World Directory of Collections of Culture of Microorganisms.

Seu trabalho no Instituto de Micologia resultou na descrição de mais de 4.600 espécies de fungos e o registro na 7° edição do Dictionary of the Fungi do CMI. Publicou trabalhos sobre vários tipos de micro-organismos. Produziu cinco livros e vários artigos científicos publicados em periódicos nacionais e internacionais. Quarenta e quatro gêneros estabelecidos em suas monografias e chaves de identificação foram validados por grandes nomes da Micologia moderna, entre os quais: Von Arx; Muller; Hughes; Luttrell; Ellis; Sutton e Kendrick.  

Devido a sua grande capacidade de trabalho, bem como a sua dedicação à pesquisa, conseguiu até a data de sua morte um notável volume de resultados publicados sobre os mais variados micro-organismos, ganhando respeito nacional e internacional na área da Micologia. Profissionais que atuaram com A. Chaves Batista relatam a sua pontualidade e dedicação ao trabalho ficando, até altas horas no seu laboratório. Era exigente com os seus alunos, requisitando relatórios semanais sobre as atividades realizadas. Relata-se que “parecia querer identificar todos, ou a maioria dos fungos que pudesse”. Augusto Chaves Batista faleceu prematuramente aos 51 anos, dentro do seu gabinete de trabalho.