Valmar Correa de Andrade

Graduado em CIÊNCIAS BIOLÓGICAS pela Universidade Federal de Pernambuco (1978), com cursos de especialização em Ecologia (1979/80) e Botânica (1982) pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Concluiu mestrado em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1987), na área de Taxonomia, com a dissertação :O gênero Clusia (Guttiferae) em Pernambuco. Atualmente é professor adjunto 4 exercendo o cargo de Vice-reitor e Reitor por dois mandatos (2004-2012) da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia Vegetal, atuando principalmente nas seguintes linhas: sistemática de fanerógamas, florística, manguezal, e floresta atlântica. Foi Secretário da Educação da Prefeitura Municipal do Recife (2013-2014).

Patrono

Dárdano de Andrade Lima

Agrônomo erenomado pesquisador da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, do Instituto de Pesquisas Agronômicas-IPA e do Conselho Nacional de Pesquisas - CNPq, Dárdano de Andrade Lima (1919-1981) nasceu em João Pessoa-PB. Viveu a maior parte de sua vida no Recife-PE, onde se graduou na Escola Superior de Agricultura (1943). Obteve o grau de Master of Science em Botânica Florestal no “New York State College of Forestry”, USA (1954), especializando-se na taxonomia de Fabaceae. Estagiou no Royal Botanic Gardens, Kew (1956/57 e 1975) e no Herbário e Jardim Botânico de Munique, Alemanha (1975).

Foi docente da Universidade Católica de Pernambuco (1948-51), UFRPE (1949-81) e Universidade Federal de Pernambuco (1959-70?). Criou o Curso de Mestrado em Botânica da UFRPE (1973), pioneiro em todo o Norte e Nordeste do Brasil, atuando como coordenador, orientador e professor. Colaborou em Cursos de Pós-Graduação (lato e stricto sensu) em diversas Instituições no Brasil. Foi diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Pesquisador do IPA (1974 -1978), dirigiu o Herbário que recebeu seu nome, onde sua coleção pessoal atinge ca. 8.000 espécimes.

Entre 1958-1981, participou de expedições científicas promovidas por instituições estrangeiras e nacionais, para realizar observações florísticas e fitogeográficas, analisar formas primitivas de plantas de interesse econômico, ecologia da Caatinga e do Chaco Argentino, abordando questões relacionadas com a origem e evolução das Caatingas. Foi homenageado por taxonomistas em várias espécies novas, como Manilkara dardanoi Ducke e Clusia dardanoi G. Mariz. Membro da Academia Brasileira de Ciências, Société de Biogeographie de Paris, International Association for Plant Taxonomy, Sociedade Argentina de Botânica, Sociedade Botânica do Brasil (sócio fundador).

Publicou livros e capítulos de livros, entre eles: A Botânica na Carta de Pêro Vaz de Caminha; A flora de Pernambuco e suas relações fitogeográficas; Lista de Nomes Vulgares e Científicos de Plantas do Brasil; Paisagens do Nordeste e Folha da vegetação do Brasil (1966). Publicou 70 artigos em revistas nacionais e estrangeiras, destacando-se: Estudos Fitogeográficos de Pernambuco (1957), A Fitogeografia do Brasil (1963), Bromeliaceae de Pernambuco (1964), Vegetation of Brazil (1966), Cactaceae de Pernambuco (1966), Estudo crítico da nomenclatura fitogeográfica Latino-americana (1966), Contribuição ao estudo de Paralelismo da Flora Amazônia-Nordestina (1966).

Sua devoção à Botânica se expressa e perpetua nos nomes dados às filhas: Myrcia, Rúbia, Selene, Érica e Cássia. Faleceu em Aracajú-SE, após uma excursão, em 13 de setembro de 1981, deixando como legado seu exemplo de vida dedicada à Sciência Amabilis.