Zulma Maria de Medeiros

Biomédica, pesquisadora e professora, natural de Bezerros, município localizado na mesorregião Agreste de Pernambuco. Graduada em Ciências Biomédicas pela Universidade Federal de Pernambuco em 1983 e o curso de doutorado no Instituto Oswaldo Cruz na Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro, em 1998.

Durante a graduação ingressou no grupo de pesquisa coordenado pela Professora Gerusa Dreyer e pelo Professor Amaury Coutinho no Departamento de Parasitologia no Instituto Aggeu Magalhaes/Fiocruz e desde 1989 atua como pesquisadora da Fiocruz-PE. Em 1996 ingressou como professora da Universidade de Pernambuco desenvolvendo as atividades laborais nos cursos de bacharelados, no mestrado e doutorado. 

Dentre as atividades cientificas a pesquisadora tem coordenado e colaborado em projetos de pesquisas financiados em parcerias com instituições internacionais e nacionais, publicado artigos em periódicos científicos e capítulos de livros, e orientado alunos em programas de pós-graduação. Participa das Sociedades Brasileira de Parasitologia e da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e do Comitê de Assessoramento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior.

Pela sua contribuição na área de saúde pública recebeu, em 2013, a Menção Honrosa no I Seminário de Avaliação do Programa de Enfrentamento as Doenças Negligenciadas da Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde do estado de Pernambuco.

Os primeiros relatos de confecção leishmaniose visceral em pessoas vivendo com HIV/aids no estado de Pernambuco foram publicados pelo grupo de pesquisa da pesquisadora, bem como a identificação de novas áreas com transmissão de filariose linfática, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, locais que hoje participam do Programa Global de Eliminação da Filariose Linfática.

Patrono

Amaury Domingues Coutinho

Médico, professor e pesquisador natural de Recife, Pernambuco. Concluiu o curso médico da Faculdade de Medicina do Recife aos 21 anos de idade, recebendo o “Prêmio Raul Leite” por ter sido o melhor aluno da turma de 1939 e ainda o “Prêmio do Diário de Pernambuco” como o melhor aluno nas Cadeiras de Laboratório.

Em 1940, no ano seguinte após sua graduação, iniciou a carreira docente na Faculdade de Medicina do Recife. Em 1960, logrou o primeiro lugar no concurso público para a Cátedra de Clínica Médica (1ª Cadeira), na qual ensinou até a sua aposentadoria, em 1988. Nesse período, além do cargo de Professor Titular de Clínica Médica, teve forte atuação na gestão acadêmica e administrativa da UFPE.

Foi Chefe do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da UFPE, de 1969 a 1970, Diretor do Centro de Ciências da Saúde, no período de 1980 a 1984, Membro do Conselho Departamental do Centro de Ciências da Saúde da UFPE, de 1971 até a sua aposentadoria, Pesquisador A-1 do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, além de ter participado de inúmeras comissões acadêmicas e de ter sido membro dos conselhos superiores da UFPE, em várias ocasiões. A

pós sua aposentadoria, recebeu, em 1990, o título de Professor Emérito da UFPE. Ao longo da sua carreira acadêmica realizou intensa atividade científica que resultou numa vasta produção intelectual, baseada principalmente nas duas linhas de pesquisa: Filariose e Esquistossomose. Após sua aposentadoria compulsória da UFPE, continuou a trabalhar como pesquisador no Instituto de Pesquisas Aggeu Magalhães, da FIOCRUZ, em Recife.

Faleceu em 26 de abril de 1995, dez dias após ter completado 77 anos. Em 30 de agosto de 1996, após seu falecimento, a Prefeitura da Cidade do Recife inaugurou a “Policlínica Professor Amaury Coutinho”, situada na Campina do Barreto, em Recife, destinada a dar assistência médica aos moradores dos bairros de Arruda, Água Fria, Dois Unidos e periferia.